quinta-feira, 2 de abril de 2015

COMO RESISTIR A ESTE AMOR?



«...Os perdões arrogantes geram revolta; os reticentes esmagam; os sem amor não conseguem libertar nem salvar. Só o verdadeiro perdão, fruto de um amor puríssimo, pode fazer brotar uma nascente de vida no coração do infiel e regenerar quem fracassou no amor fazendo-o renascer para ele.

Também para Deus, e antes de mais para Deus, perdoar é amar, amar com um amor tal que faça surgir na escuridão e na impureza da alma um amor inteiramente novo que a purifica, transforma e encaminha para uma perfeição também inteiramente nova.

Pensemos no olhar de Cristo sobre Pedro quando este acabou de negá-lo... Não foi, como toda a certeza, um olhar de censura ou de cólera. Foi, o que é muito mais terrível, um olhar de amor, de amor intenso, exprimindo uma ternura mais solícita, mais calorosa e mais envolvente que nunca.
Pedro não pôde resistir-lhe; partiu-se-lhe o coração e soltaram-se-lhe as lágrimas, ao mesmo tempo amargas e doces. Simultaneamente, pela ação conjugada do olhar de Jesus e do Espírito de Cristo operando nele, um amor novo apoderou-se de todo o seu ser. De tal modo que, poucos dias depois da sua negação, ele ousou afirmar sem hesitações: «Tu sabes que eu sou deveras teu amigo». E Pedro não mente: esse amor novo que o olhar do seu Mestre fez jorrar nele levá-lo-á ao dom da sua vida numa cruz, depois de uma existência passada a pregar às multidões o amor com que Deus nos ama.»

Henri Caffarel, em "Nas Encruzilhadas do Amor"

quarta-feira, 1 de abril de 2015

O AUGE DO AMOR


«Na cruz, o Cristo encontra-se no ápice do poder... exactamente porque Ele se encontra no auge do amor! Ele mostra, então, que o verdadeiro poder é o amor e que nada é possível contra o amor.

Não é possível impedir o Cristo de amar: "Perdoai-lhes porque eles não sabem o que fazem..." Até ao último instante, Ele é o mais forte. E Ele é o mais forte, na extrema fraqueza!»


Jean-Yves Leloup, em "Amar... apesar de tudo"

sábado, 14 de março de 2015

A FÉ É CLARAMENTE NOTURNA



«A fé tem a ver com a noite. A luz só se vê à noite, como as estrelas. As estrelas brilham no céu noturno. A luz da fé brilha na noite. A fé é um lugar sem certezas. A fé é um lugar de abertura. A fé é uma forma de hospitalidade radical. 


Para mim, as grandes imagens bíblicas da fé são as da luta de Jacob com o anjo (quando ele, no amanhecer ainda escuro, ao atravessar um riacho, luta com o próprio Deus sem saber que está a lutar com Deus; mas essa imagem do combate noturno, agónico, um bocado imperceptível mas que nos fere e deixa depois no nosso corpo a ferida, é a imagem mais prodigiosa do que é a fé no Antigo Testamento) e a do percurso que as mulheres fazem de manhãzinha, com o dia ainda muito escuro, a caminho de um sepulcro que encontram vazio. 

A fé tem necessariamente esse lado noturno de indagação e de expectativa. A fé é uma expectativa. E é nesse sentido a imagem do salto no escuro.»

José Tolentino Mendonça

quarta-feira, 11 de março de 2015

VENHA O TEU ANJO


Venha o teu Anjo tocar o peso da nossa vida
e descobrir neste cerco o que ainda não vemos:
a beleza completamente acesa

Venha o teu Anjo dizer-nos que é possível
uma existência respirar iluminada
por aquilo que espera

Venha o teu Anjo convencer-nos
que é da esperança que nos vem o fogo,
e que em cada um dos nossos instantes
o eterno pode habitar

Venha o teu Anjo aproximar em nós
o barro da estrela
o coração adiado da sua órbita viva
o meu pão do pão de todos
a alegria voltada para fora
da alegria voltada para dentro

José Tolentino Mendonça

sábado, 7 de março de 2015

CAMINHAR CONTRA A «CORRENTE»


«Não devemos deixar-nos arrastar para as águas turvas do cinismo, da passividade e da amargura. Contudo, também não devemos pôr os óculos cor-de-rosa do otimismo ilusório. 

Acima de tudo, devemos rejeitar todo o tipo de droga sob a forma de ideologias que oferecem respostas simplistas ou receitas radicais de má qualidade para reparação instantânea. 

Devemos simplesmente manter-nos a caminho e fazer todos os possíveis por nos deixarmos governar mais pela nossa consciência do que pelas circunstâncias. Naturalmente, isto significará muitas vezes caminhar sozinhos contra a corrente, sem quaisquer perspetivas de «êxito» visível, e parecer excêntricos ridículos aos olhos dos «sábios deste mundo». Mas, se não quisermos tomar esse caminho, não será o sinal de que temos lido em vão o Evangelho da cruz?»

Tomás Halik, in A  Noite do Confessor

quarta-feira, 4 de março de 2015

IRRADIAR ESPERANÇA


«A fé, que pode ser aliada da humanidade na luta contra o mal da violência e contra o sofrimento e o cinismo, não deve multiplicar explicações espalhafatosas: deve irradiar esperança. A esperança é o presente que Deus deu à sua criação; é a capacidade de perceber a realidade como estando permanentemente em aberto.»

Tomás Halik, in A Noite do Confessor

domingo, 1 de março de 2015

FAZER JEJUM DAS PALAVRAS

Senhor, ajuda-nos a fazer jejum das palavras. 
Das palavras desnecessárias, ruidosas, poluídas.
Das palavras dúplices e opulentas, das palavras que atropelam, 
das palavras injustas, das palavras que divergem e atraiçoam, das palavras que separam. 

Ajuda-nos a jejuar das palavras que Te escondem,
das palavras onde o amor não emerge, das palavras confusas, ressentidas, atiradas como pedras, das palavras que muralham a comunicação, das palavras que nada mais permitem senão palavras. 

E que nesse jejum abramos mais o coração àquele silêncio onde os encontros verdadeiros se insinuam.

José Tolentino Mendonça, in Um Deus Que Dança

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

VIVER SEGUNDO A LÓGICA DO PERDÃO

«Se quisermos que o nosso mundo seja curado, já não nos podemos apoiar na lógica de "assim como tu me fizeste, também eu te faço a ti". Devemos aprender a lógica de "assim como Deus me fez, também eu te faço a ti" - o caminho do perdão e da reconciliação.»
Tomás Halik,in A Noite do Confessor

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

VAMOS À AVENTURA

«O que é totalmente alheio a muitos é a experiência de se apaixonar por Deus. Para eles, a religião é um exercício intelectual entranhado na consciência individual, e não uma resposta a um Deus que estende a mão para dizer "Vamos à aventura!"».
Tim Muldoon, citado por George Aschenbrenner, S.J.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

UMA TERNURA INFINITA

«Quando aprenderemos que o Poder do nosso Deus não é uma omnipotência à moda dos mitos pagãos mas uma ternura infinita que não desiste de nós?»
Rui Santiago Cssr, in Estou em Crer


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

UMA MULHER SIMPLES

“Conheci uma mulher simples que não se fazia perguntas sobre Deus: ela amava além da pergunta sobre Deus. Então Deus existia”.
Clarice Lispector

domingo, 15 de fevereiro de 2015

JESUS


«Foi baptizado em água doce, amou a pesca, andou com pescadores, encheu-lhes as redes (...)
Pediu ao ofendido que oferecesse a outra face, colocando o ofensor em risco de ridículo, mas ao mesmo tempo estabelecendo um limite para a prova: duas, e não mais, são as faces. Não escreveu, não ditou, as suas palavras faziam a viagem das abelhas sobre as pétalas abertas das orelhas. (...)
Salvou uma mulher condenada à lapidação pedindo aos seus acusadores que o primeiro dentre eles, desde que puro de pecados, se chegasse à frente com a primeira pedra. Sabia que os homens atiram com prazer as segundas.

Nascesse hoje, e seria num barco de imigrados, atirado ao mar juntamente com a mãe à vista da costa de Puglia ou da Calábria.(...)
Depois dele o tempo reduziu-se a um entretanto, a um parêntesis de vigília entre a sua morte e a sua nova vida. Depois dele ninguém é residente, mas todos são refugiados à espera de um visto. Somos nós, bem nutridos do ocidente, a coluna de estrangeiros em fila para lá do último guichet.»
Erri De Luca, in Caroço de Azeitona

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015


«Um divino a que não corresponda um desabrochamento do humano não merece que a ele nos dediquemos.» 

D. Bonhoeffer

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

DE ANDAR ÀS TANTAS


Tenho sido salvo mais pelo acaso
que pela Graça. 
Assim tem sido 
a amorosa paciência de Deus comigo.

Porque a Graça é tão débil... 
tem sido o acaso 
a resgatar-me em cada hora
a visitar-me em cada "mas" 
que nos esquina a vida
e nos estima amanhãs.

A Graça é feita de seda,
debruada a beijos e carícias,
tingida só nas pontas que se estendem para nós.

E eu, todo arestas...
Dá-me mais susto a ternura que a violência,
porque tenho mais medo de estragar o que é lindo
do que de cair aos pés dos arrogantes.

A vida perde-se no que a gente estraga.
A Graça, de débil e frágil assim, 
aparece-me toda cheia de importâncias, 
numa insinuação quase ameaça,
quase piropo,
a fazer-se a mim 
até conseguir fazer de mim o que quiser.

Os acasos que me salvam têm todos Nome de gente. 
"Qual é a sua graça?", perguntava-se,
quando se entendia que cada Nome é uma Graça.

Às tantas, 
foi a Graça a salvar-me o tempo todo
e ri-se de mim desde o primeiro verso.

Ubam Indje

sábado, 7 de fevereiro de 2015

AMA E FAZ O QUE QUISERES


E Deus disse:
"Ama e faz o que quiseres"
E o homem fez o que quis, mas sem amor.
(E assim continua a fazer)

Jaime Tatay, s.j.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

DEUS ESPERA


"Deus espera até que o homem, através da sabedoria, se torne de novo criança."
Rabindranath Tagore

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

ABRIR-SE AO AMOR E À GRAÇA

«Só chego a ser verdadeiramente eu mesmo na abertura sem reservas nem limites ao Amor e à Graça.»
Rui Santiago Cssr, in Estou em Crer


sábado, 31 de janeiro de 2015

A FÉ

«A Fé não é uma coisa que se tem mas uma Amizade que se constrói; uma Aliança que se cultiva, e não uma crença que se guarda. Por isso, a Fé é sempre um processo; quer dizer, temos sempre dela uma história para contar.»
Rui Santiago Cssr, in Estou em Crer


segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

DENTRO DA NOITE


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

UM PRESENTE DE DEUS


«Jesus é um Presente sonhado e preparado desde sempre, ideia presente já no Coração de Deus enquanto o Poema da Criação ia nos seus primeiros versos.
Jesus é um Presente de Deus necessitado de acolhimento e cuidado. Não apela primeiramente à nossa obediência, mas ao nosso carinho. Não puxa pelas nossas forças, mas mete-se com o que em nós há de mais entranhável, capaz de ternura e compaixão.»
Rui Santiago Cssr in Teologia da Beleza

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A GRANDEZA DE DEUS

Ouvi contar esta história.
Uma criança com toda a naturalidade, voltou-se para Deus e perguntou-lhe:
"E tu, o que é que queres ser quando fores grande?"
"Pequeno", respondeu-lhe Deus, também com toda a naturalidade.

Os homens querem ser grandes, mas a grandeza de Deus está em tornar-se pequeno, em dar a vida, em desaparecer pelo bem do outro.
Vasco Pinto de Magalhães, s.j. in "Não há soluções, há caminhos"

domingo, 18 de janeiro de 2015

NÃO JULGAR

«Não julgar. 
Todos os erros são semelhantes. 
Existe apenas um erro: não possuir a capacidade de se alimentar da luz. 
Porque, estando esta capacidade anulada, todos os erros são possíveis.»

Simone Weil, in A gravidade e a graça

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

DEUS NÃO COMPARA

«Deus não compara. O amor não compara. Comparar é sempre julgar e julgar é já não amar, porque julgar é decompor um ser como decompomos um relógio nas suas engrenagens. É o contrário do amor.
A comparação fica sempre no plano do parecer, nunca no plano do ser.»
François Varillon, s.j. in A Mensagem de Jesus

sábado, 10 de janeiro de 2015

CONSTRUAMOS UM NATAL PARA TODA A VIDA


A esta hora, muitos presépios já foram desmontados.
A lição da manjedoura porventura já estará esquecida. 
Alguma vez terá sido aprendida?

Estiquemos o Natal a todo o ano. 
Construamos um Natal para toda a vida. 
Não apaguemos a luz que Deus acendeu em nós.
Não eclipsemos o sorriso. 
Cubramos o cinzento dos nossos dias com a luz do presépio, 
com o encanto da manjedoura, com a paz de Belém.

Deixemos brilhar, à nossa frente, a estrela da bondade. 
E deixemos, atrás de nós, um rasto de esperança.
Enfim, não arrumemos totalmente o presépio. 
Ele deixou de ser visível cá fora. 
Mas tem de continuar presente na nossa vida: aqui e agora.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

A FÉ EM DEUS

«A fé em Deus é expressa através de obrigações incansáveis para com o outro.»
Emmanuel Levinas

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014


«A fé sem interrogações críticas transformar-se-ia numa ideologia enfadonha e sem vida, numa intolerância infantil, ou num fundamentalismo e num perigoso fanatismo. No entanto, a racionalidade sem impulsos espirituais e éticos, que brotam do mundo da fé, tornar-se-ia igualmente parcial e perigosa, podendo transformar-se num cínico pragmatismo ou num rancoroso ceticismo.»
Tomás Halík, in "Paciência com Deus"

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

O DEUS CONNOSCO


«O Deus Connosco não aparece entre nós como um líder valente ou um chefe carismático que motiva em nós a vontade de lutar.
O Deus Connosco não aparece no meio de nós como alguém forte a provocar em nós a capacidade de obedecer.
O Deus Connosco aparece no meio de nós como alguém que quer provocar em nós a Sensibilidade, despertar o que há de mais íntimo em nós.
Deus vem visitar-nos para despertar em nós o carinho, a ternura, os sentimentos da nossa mais profunda humanidade.
Essa é a sua ideia… converter-nos, antes de tudo, à sensibilidade, à ternura, à doçura dos gestos, das palavras e das intenções.»

domingo, 21 de dezembro de 2014

A CRIANÇA É A MENSAGEM


«A criança é a mensagem.

Um Deus que entra em nossa vida desde a meninice é o mais crente de nós.
Acredita em recomeços.
Tem fé nos reinícios.
Adere aos nossos renascimentos.
O bebê é Deus dizendo: Faça como eu, recomece sempre que um novo início for a salvação.
Ele não é o outro que vem a nós.
É o menino que vimos crescer.
Não chega. Nasce.
Não se impõe. Entrega-se.
Não reivindica. Serve.
Não esmaga. Mistura-se.
Conta histórias para contar-se entre nós...
Não intimida. Seduz.»

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

«Aquele que ensina o bem aos outros sem o praticar é como um cego que segura uma lanterna.» (Provérbio Argelino).
«Somos chamados a ser cristãos que surpreendem e que despertam os sonhos e desejos dos que dormem na passividade.
Este é o momento, aqui e agora, para sairmos fora, na noite, e anunciarmos um cristianismo embalado numa canção de amor e fraternidade que “faça acordar os homens e adormecer as crianças.»

terça-feira, 16 de dezembro de 2014



«Sim, acreditar num Deus que não vemos também significa, no mínimo, esperar que Ele esteja onde nós não o podemos ver e, muitas vezes, onde estamos absolutamente convencidos que Ele não está nem poderia estar.»

Tomás Halík, in "Paciência com Deus"